Política

Xeque-Mate: Leto ‘empareda’ Santiago e diz que Olívio, Fabiano Gomes e Lucas Santino articularam compra de mandato de Luceninha

09 de julho de 2019

Assessoria do TJ

O ex-prefeito de Cabedelo, Leto Viana, que depôs no terceiro dia das audiências relacionadas às acusações de formação de organização criminosa, no bojo da operação Xeque-Mate, deu detalhes de episódios como a compra do mandato de Luceninha, de quem era vice. Preso desde o dia 3 de abril do ano passado, quando foi desencadeada a operação pela Polícia Federal e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Leto chegou a chorar algumas vezes e transferiu para o empresário Roberto Santiago todo o fardo de irregularidades cometidas por sua administração na cidade.

. Diante do juiz Henrique Jorge Jácome, o ex-gestor se emocionou ao descrever os crimes.

No depoimento ao juiz Henrique Jorge Jácome, Leto Viana tentou se desvencilhar da alcunha de líder da organização criminosa. Ele disse que foi procurado pelo empresário Roberto Santiago, em 2013, que pediu apenas para ele se preparar para a posse. O ex-prefeito de Cabedelo atribuiu a Olívio Oliveira, Fabiano Gomes e Lucas Santino a articulação, com o empresário, para a compra do mandato de Luceninha.

Sobre Santino, ele atribuiu ao ex-presidente da Câmara Municipal várias articulações para o recebimento de vantagens indevidas. O ex-vereador foi o primeiro delator do esquema.

Em certo momento, nas cerca de cinco horas, disse ter se afastado de Deus e que cegou diante da perspectiva de poder. O ex-prefeito disse que aceitou seguir “esse caminho” por amizade a Roberto Santiago. O empresário se encontra preso desde o mês de março deste ano. Ele também é acusado de participação no esquema criminoso. Entre os detalhes repassados pelo réu, disse que o esquema de corrupção no município ocorre desde 2007. Na época, o prefeito era José Régis. Deu detalhes, também, sobre a contratação de uma empresa de lixo, pela prefeitura, atendendo aos interesses de Santiago.

Leto negou ainda que tenha enriquecido com dinheiro de corrupção. Negou a ocultação de bens e garantiu que se tornou um homem rico por ter herdado bens da família. Depois de Viana, serão ouvidos Jaqueline Monteiro França, Adeildo Bezerra Duarte, Lúcio José do Nascimento Araújo, Leila Maria Viana do Amaral, Tércio de Figueiredo Dornelas e Antônio Bezerra do Vale Filho. Caso não seja possível ouvir todos nesta terça, os depoimentos terão continuidade nesta quarta-feira.

Crimes

Os acusados, segundo as denúncias, integravam uma organização criminosa no Município de Cabedelo que teria sido responsável por vários episódios criminosos, dentre eles a compra e venda do mandato do ex-prefeito José Maria de Lucena Filho (Luceninha) e a sua consequente renúncia ao cargo; irregularidades na Prefeitura e na Câmara de Vereadores, com contratação de servidores fantasmas; e esquema de recebimento de dinheiro desviado do salário dos servidores municipais.

Constam ainda nas acusações outras irregularidades, como o financiamento de campanha de vereadores; atos de corrupção envolvendo a avaliação, doação e permuta de terrenos pertencentes ao erário municipal, que beneficiava diversas empresas, bem como ações ilícitas para impedir a construção do Shopping Pátio Intermares, com a distribuição de valores ilícitos para vereadores, com atuação pessoal de Leto Viana.

 

 

 

 

 

Com Blog do Suetoni