Política

Servidores técnico-administrativos da UFPB deflagram greve

26 de outubro de 2016

ufpb_3Os servidores técnico-administrativos da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) aprovaram por unanimidade, nesta terça-feira (25), no Centro de Vivência do campus I da universidade, paralisar suas atividades até que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241/16 seja rejeitada pelo Congresso Nacional. A PEC, que limita os gastos públicos, tem seu texto votado hoje em segundo turno na Câmara dos Deputados, para poder seguir para o Senado.

Uma assembleia setorial será realizada com os servidores técnico-administrativos do Hospital Universitário Lauro Wanderley, ainda a ser agendada, para discutir a participação no movimento e definir equipes para garantir os serviços essenciais que não podem ser prejudicados.

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Ensino Superior da Paraíba (SintesPB), Marizete Figueiredo, disse que a razão dessa greve não é meramente econômica, é contra todos os “desmandos” que a PEC representa não apenas para os servidores públicos, mas para toda classe trabalhadora e a população no geral.”Claro que não vamos esquecer o cumprimento do acordo de greve 2015, na parte relacionada ao aprimoramento de carreira”, disse.

Os servidores avaliam que a PEC 241 vai limitar por 20 anos os investimentos públicos em educação, saúde, segurança, infraestrutura, além de congelar salários e outros benefícios do servidor público.

Segundo os servidores, a greve deflagrada nas universidades é também em protesto contra a Lei de Escola Sem partido, cobrança de mensalidades nas universidades, extinção do Programa Ciência Sem Fronteiras, redução de verbas no Pronatec, Fundo de Financiamento Estudantil – Fies, Programa Universidade para Todos-ProUni, contra a reforma da previdência que institui a idade mínima de 65 anos de idade para homens e mulheres, reforma trabalhista que retira direitos e a do ensino médio.

Com a adesão dos servidores da UFPB à greve Nacional comandada pela Federação de Sindicatos dos Trabalhadores Técnico-administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil-Fasubra, já são 27 universidades que estão com suas atividades paralisadas até o momento em todo país num universo de 51 instituições, que ainda estão realizando assembleias.

Apesar da greve dos servidores técnico-administrativos, os professores ainda não decidiram dar início a greve. Após o dia 11 de novembro, deverá acontecer assembleia da categoria para deliberar sobre o assunto.