Política

PSB nacional contraria Ricardo e defende Rosas à frente da executiva estadual

15 de agosto de 2019

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, pediu entendimento entre as lideranças do partido na Paraíba, após uma ala pedir o afastamento de Edvaldo Rosas da presidência estadual por também ocupar à Secretaria Chefe do Governo. A exemplo do governador João Azevêdo, Siqueira não vê incompatibilidade nas funções de Rosas, registra o MaisPB.

De acordo com a publicação, Siqueira teria dito que “isso não é ilegal [o presidente estadual ser também secretário]. É uma decisão política, que cabe ao PSB da Paraíba adotar”, afirmou.

Desde a nomeação de Edvaldo Rosas para Secretaria Chefe de Governo, no início do mês, o partido se dividiu. De um lado, as deputadas Cida Ramos e Estela Bezerra, historicamente ligadas ao ex-governador Ricardo Coutinho; do outro, o governador João Azevêdo e o próprio Edvaldo Rosas.

Cida e Estela defendem a saída de Rosas do comando do partido, para que o ex-governador assuma a condição. O pedido das parlamentares foi rechaçado por Azevêdo e Rosas. O governador, aliás, chegou a citar nesta semana o exemplo do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que além de gestor era presidente nacional da sigla. “O fato de ser secretário e presidente não é incompatível”, declarou Azevêdo na última segunda-feira (12).

Em nota, no último dia 7, Edvaldo Rosas afastou completamente a possibilidade de deixar o comando do partido. “Não entendi bem qual seria a motivação para eu deixar o comando do PSB, justamente no momento que o partido teve o maior crescimento do Brasil nas duas últimas eleições, e quando o governador do Estado prestigia o partido nomeando o seu presidente para um cargo importante de condução da política dentro do seu Governo”.

A crise estadual do PSB preocupa a direção nacional do partido. “O assunto está no âmbito do estado, o que eu peço é que as lideranças se entendam e encontrem uma solução boa para todos. Acho que temos um legado importante e precisamos de um entendimento para que as coisas continuem fluindo bem para todos”, disse
Siqueira.