Política

PSB exclui João Azevêdo e aliados da executiva estadual do partido e mostra que governador não passa de um poste e sem luz

14 de novembro de 2019

O governador João Azevêdo, que sequer foi consultado quando o PSB decidiu destituir Edvaldo Rosas, seu secretário de Governo do comando da legenda no Estado, voltou a ser alvo de mais uma demonstração de desprestígio do partido ao não figurar nem como membro comissão provisória responsável por gerir a agremiação na Paraíba. A saída do gestor já consta na composição partidária registrada no Tribunal Regional da Paraíba (TRE-PB). Para quem sempre foi tido como uma espécie de ‘poste’ pelos adversários, o PSB, presidido nacional mente por Carlos Siqueira, mostrou que o gestor estadual não tem importância alguma para o partido, porque, no final das contas, quem tem milho ma mochila mesmo é o ex-governador Ricardo Coutinho.
Além de João, o senador Veneziano Vital e o secretário Chefe de Governo e ex-presidente da legenda, Edvaldo Rosas, também deixaram a comissão. Os deputados estaduais Buba Germano, Jeová Campos e Cida Ramos, ligados historicamente ao ex-governador Ricardo Coutinho, substituem o trio.
A comissão tinha João Azevêdo como vice-presidente – que passa a ser ocupada pelo deputado federal Gervásio Maia -, Veneziano como secretário-geral – cargo agora de Cida Ramos -, Valquíria Alencar e Edvaldo Rosas como secretários especiais, sendo substituídos por Buba Germano e Jeová Campos. Ricardo Coutinho preside a comissão.
Desde a nomeação de Edvaldo Rosas para Secretaria Chefe de Governo, em agosto, o PSB atravessa uma forte crise interna. Tudo começou quando as deputadas Cida Ramos e Estela Bezerra – historicamente ligadas a Ricardo Coutinho – deflagram a crise sob a batuta do ex-governador.
As parlamentares passaram a defender a saída de Rosas do comando do partido para que o ex-governador assumisse o cargo, o que desagradou o governador João Azevêdo pela forma como foi conduzido o processo. A direção nacional do PSB anunciou, então, no dia 16 daquele mês, a decisão de nomear uma comissão provisória para o partido na Paraíba.
A “intervenção” aconteceu depois que integrantes do diretório estadual ligados a Ricardo Coutinho iniciaram movimento de renúncias, provocando a destituição do atual presidente, Edvaldo Rosas, e uma nova eleição na legenda, um ano antes do fim mandato.
Como fica a comissão provisória:
Ricardo Coutinho: presidente
Gervásio Maia: vice-presidente
Cida Ramos: secretária-geral
Jeová Campos: secretário especial
Buba Germano: secretário especial
Márcia Lucena: primeira secretária
Fábio Maia: secretário de Finanças