Política

Operação Calvário cita políticos com mandato pela primeira vez e Estela Bezerra entra na mira das investigações

15 de outubro de 2019

O que era apenas burburinho não é mais. Em despacho que autorizou a nova fase da Operação Calvário nesta terça-feira (15), o despacho do desembargador Ricardo Vital liga pela primeira o envolvimento de parlamentares com o esquema criminoso que teria drenado recursos públicos da saúde e da educação para a corrupção. E a ‘debudante’ é ninguém menos que a deputada Estela Bezerra (PSB), aliada de primeira hora do ex-governador Ricardo Coutinho.

De acordo com o magistrado, possíveis irregularidades cometidas e investigadas no âmbito da ação policial, registra Wallisson Bezerra, em seu blog. “Há indícios da vinculação da parlamentar, que exerce mandato desde 2014, a determinadas condutas criminosas, cujo envolvimento aguarda diligências em andamento e que estão protegidas por sigilo”, sustenta o magistrado.

D acordo com a publicação, um dos viés da investigação é para saber qual foi o motivo que levou Daniel Gomes optar por colocar Mayara de Fátima Martins como presidente da Cruz Vermelha mesmo quando ela exercia a função de chefe de gabinete de Estela.

Uma conversa de WhatsApp mostra a tentativa de Daniel Gomes em implantar a venda de bilhetes premiados no estado patrocinado pela Lotep, bem como que o Governo havia cedido um imóvel onde funcionaria a Cruz Vermelha.

Segundo o desembargador, há um contexto que indica a influência de Estela para a suposta obtenção de vantagens quanto ao imóvel. A investigação aponta que é possível que Daniel tenha permitido que Estela, que é tratada como investigada, tenha feito indicações semelhantes a de Mayara no âmbito da Ipcep, organização social responsável por gerir o serviço no Hospital Metropolitano de Santa Rita e no Geral de Mamanguape, sendo necessário o aprofundamento das investigações.

Por isso, Vital determinou que o processo permaneça em segundo grau.