Política

Após impor Ricardo no comando do diretório estadual, presidente nacional do PSB pede que João Azevêdo renuncie a cargo na comissão provisória

11 de setembro de 2019

Carlos Siqueira parece não ir com a cara do governador João Azevêdo

Nem bem esfriou a intervenção no diretório paraibano e a executiva nacional do PSB tratou de desferir mais um petardo na direção do governador João Azevêdo. Em tom de recado, Carlos Siqueira, presidente nacional da legenda, mandou dizer ao governador e ao senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB) que ambos precisam renunciar suas indicações à comissão provisória do partido na Paraíba.

“Caso alguém não queira formar parte da comissão precisa formalizar a sua renúncia à Direção Nacional, já que foram nomeados para integrar o colegiado. Quando – e se – o fizerem, o partido definirá as providências a serem tomadas”, avisou o presidente Carlos Siqueira, em contato com a imprensa paraibana, nesta quarta-feira (11).

Uma nova intervenção deve ser proclamada pela direção nacional do PSB no diretório paraibano nos próximos dias. Isso porque, após definir uma composição provisória para gerir o diretório regional, sem consultar previamente os seus integrantes, quatro dos sete indicados já declinaram da convocação.

Apenas Ricardo Coutinho, imposto na presidência da legenda, Fábio Maia, atual ocupante da secretaria executiva do Planejamento, e a prefeita Márcia Lucena, do Conde, que foi secretária de Educação na gestão do ex-governador, continuam firmes na comissão provisória.

Na lista divulgada pelo partido os cargos ficaram assim dispostos:

  1. O ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, na presidência.
  2. Na vice-presidência ficaria o governador João Azevêdo.
  3. O senador Veneziano Vital do Rêgo seria o secretário-geral.
  4. A prefeita de Conde, Márcia Lucena, como primeira secretária.
  5. O secretário executivo de Planejamento do Governo da Paraíba Fábio Maia, como secretário de Finanças.
  6. A secretária estadual de Mulheres do PSB na Paraíba, Valquíria Alencar de Sousa, ficaria como secretária especial.
  7. Edvaldo Rosas, que era o presidente da legenda, também como secretário especial.

A composição provisória foi definida durante reunião da executiva nacional do partido em Brasília, na tarde desta segunda-feira (9), convocada em caráter de urgência pelo presidente nacional do partido, Carlos Siqueira.

Já declinaram do convite, além do governador João Azevedo, o senador Veneziano Vital, Valquíria Alencar (PSB Mulher) e Edvaldo Rosas (presidente destituído)  já emitiram notas públicas abrindo mão dos cargos não acordados previamente.