Paraíba

Governo reduz recursos para tratamento do câncer no segundo maior hospital especializado da Paraíba

24 de julho de 2018

Apesar do volume crescente de atendimentos, dentre os quais mais de 70 mil procedimentos anuais, e de assistir pacientes oncológicos de Campina Grande e de outros 130 municípios, O Hospital da Fundação Assistencial da Paraíba (FAP) parece não contar com a sensibilidade do Governo do Estado. Nos últimos 4 anos, o Governo do Estado reduziu em 27,9% o montante de recursos encaminhados, por meio de convênio, para o Hospital da FAP, em Campina Grande. Os dados estão publicados no Portal da Transparência.

Conforme levantamento do blog do Geovanne Santos, em 2015, o convênio 001/2015 previa um valor total de R$ 824.000,00 para a aquisição de medicamentos para pacientes em tratamento de quimioterapia. Em 2018, o convênio 0015/2018 prevê um valor total de R$ 594.104,00. A FAP e o Napoleão Laureano, em João Pessoa, são as duas principais referência no tratamento do câncer na Paraíba.

A Fundação Assistencial da Paraíba (FAP) é uma entidade filantrópica, fundada em abril de 1965 e fruto de uma herança holandesa deixada em terras campinenses. O hospital oferece os serviços de cirurgia oncológica, quimioterapia, hormonioterapia e radioterapia.

Por ano são realizados mais de 70 mil procedimentos na FAP, a maioria deles no setor oncológico, abraçado pela FAP no início dos anos 2000. Todos os atendimentos via SUS são encaminhados e monitorados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a representante do Ministério da Saúde na cidade, o que faz do hospital um “prestador do SUS”.