Paraíba

Desemprego aumenta pelo quarto trimestre consecutivo e agrava crise na economia da Paraíba

15 de agosto de 2019

Não bastasse a piora na situação fiscal da Paraíba, pelo quarto trimestre consecutivo, o Estado registrou aumento na taxa de desemprego, alcançando 11,9%, entre os meses de abril, maio e junho deste ano, uma elevação de 0,8% em comparação a janeiro, fevereiro e março, o que representa 201 mil pessoas, a partir dos 14 anos, sem trabalho. Os números fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) divulgada nesta quinta-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em comparação ao mesmo período de 2018 (10,9%), a taxa de desemprego é 1% maior, o que representa 16 mil pessoas a mais sem emprego. Mesmo com a crescente, a taxa de pessoas desempregadas no estado ainda é menor do que a média nacional, que é de 12%, e a média da região Nordeste, que é de 14,6%.

Ainda com relação ao Nordeste, a Paraíba (11,9%) é o segundo estado com a menor taxa de desemprego, atrás apenas do Ceará, que tem 10,9%. Os outros estão são: Bahia – 17,3%; Pernambuco – 16%; Sergipe – 15,3%; Alagoas – 14,6%; Maranhão – 14,6%; Piauí – 12,8%; e Rio Grande do Norte – 12,5%.

Busca por emprego

A pesquisa também mostrou o tempo de busca por emprego. No segundo semestre deste ano, os números contabilizaram 19 mil pessoa buscando emprego há menos de um mês; 82 mil de um mês a um ano; 35 mil de um a menos de dois anos; e 65 mil pessoas que buscam emprego a dois anos ou mais.

Brasil

Além da taxa de 12% de desemprego no segundo semestre, o Brasil também registrou taxa composta de subutilização da força de trabalho (percentual de pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial em relação a força de trabalho ampliada) foi de 24,8%.

Em relação ao tempo de procura, no Brasil, 45,6% dos desocupados estavam de um mês a menos de um ano em busca de trabalho; 26,2%, há dois anos ou mais, 14,2%, de um ano a menos de dois anos e 14,0%, há menos de um mês. No Brasil, 3,3 milhões de pessoas procuram trabalho há 2 anos ou mais.

 

 

 

 

Com informações do Portal Correio